Além da equipa de formadores, regular e permanente, leccionam na EC.ON alguns escritores convidados em cursos, workshops e eventos específicos. Na secção Cursos por Autor encontra uma lista exaustiva de todos os autores convidados que connosco colaboram.

Andréa del Fuego. Nasceu em São Paulo, em 1975. Escritora e jornalista, publicou os volumes de contos “Minto enquanto posso” (O Nome da Rosa, 2004), “Engano seu” (O Nome da Rosa, 2007) e “Nego fogo” (Dulcinéia Catadora, 2009). O seu primeiro romance, “Os Malaquias” (Língua Geral, 2010), venceu o Prémio Saramago de literatura em 2011. Nessa obra conta a história de três irmãos que ficam órfãos quando os seus pais são atingidos por um raio. Mais recentemente, lançou o seu segundo romance, “As Miniaturas” (Companhia das Letras, 2013). Adicionalmente, é colunista do programa Entrelinhas, da TV Cultura.
http://andreadelfuego.wordpress.com

André de Leones. André de Leones (1980) é autor dos romances Terra de casas vazias e Dentes negros (ambos lançados no Brasil pela Rocco), dentre outros.
http://vicentemiguel.wordpress.com/ & @andredeleones

António Cabrita António Cabrita nasceu em Almada, em 1959. Vive em Moçambique. É escritor, guionista, jornalista e crítico. Durante dezanove anos escreveu no Expresso crítica literária e cinematográfica. Em 1979 publicou “Oblíqua Visão de um Cristal num Gomo de Laranja ou Perene o Sangue que Arrebata os Anjos Vingadores”. Entre as suas obras destacam-se “A Maldição de Ondina” (Abysmo, 2013), “Éter: Sete Narrativas Seguidas de Contragolpe” (Abysmo, 2015), “Para que servem os elevadores e outras indagações literárias” (Alcance Editores, 2012), “Respiro” (Língua Morta, 2011), “O branco das sombras chinesas” (com João Paulo Cotrim, Abysmo, 2011), “Tormentas de Mandrake e de Tintin no Congo” (Teorema, 2008), “Combate de flautas” (&etc, 2003), “Os abysmos da mão” (Íman, 2001), “Arte Negra” (Fenda, 2000), “Ficas a Dever-me uma Noite de Arromba” (Companhia das Ilhas, 2012), “Carta de Ventos e Naufrágios” (Teorema, 1998) e “Cegueira de Rios” (Relógio D’Água, 1994). “O Mal de Ondina” foi inicialmente publicado no Brasil pela editora LetraSelvagem (2011), tendo sido nomeado finalista do Prémio Telecom para o melhor livro publicado no Brasil em língua portuguesa. Escreveu, com Maria Velho da Costa, “Inferno”, guião para uma série televisiva sobre Camilo Castelo Branco (publicado pela Íman em 1991). Escreveu os argumentos de filmes como “Paraíso Perdido” de Alberto Seixas Santos (1995), o telefilme “Eu Vi a Luz Num País Perdido” de António Escudeiro (1999), “Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra” de José Carlos de Oliveira (2005) e a curta-metragem “O Búzio” de Sol de Carvalho (2009), entre outros. António Cabrita foi, ainda, editor das “Edições Íman” e director da revista “Construções Portuárias”.
http://raposasasul.blogspot.pt/

António Carlos Cortez Professor de Literatura Portuguesa, crítico literário, ensaísta e poeta.  Nasceu em Lisboa, em 1976. Colaborou com JL, Relâmpago e Colóquio-Letras. Publicou cinco livros de poesia e encontra-se antologiado em publicações diversas de poesia portuguesa contemporânea. O seu mais recente livro, publicado em 2013, intitula-se “O Nome Negro” (Relógio d’Água).

Claudia Lage. Claudia Lage nasceu no Rio de Janeiro, em 1970. É escritora, formada em Teatro (UNIRIO) e Letras (UFF), mestre em Literatura (PUC-Rio), com dissertação sobre criação literária e processo criativo. Autora do livro de contos A pequena morte e outras naturezas e do romance Mundos de Eufrásia, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2010 na categoria Estreante, recebeu os prêmios de contos no concurso Stanislaw Ponte Preta, da Rio Arte, em 1996, e Guimarães Rosa, da Rádio França, em 2001. A escritora publicou contos em algumas antologias, tais como: “Recontando Machado”, “25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira”, “Todos os sentidos” e “Ficções Fraternas”. É também roteirista, autora de teatro e tv.  Desde 2002, ministra cursos de criação literária no Rio de Janeiro. Lançou neste ano de 2013 o livro Labirinto da Palavra, com ensaios-crônicas sobre literatura que publicou no Jornal de Literatura Rascunho de 2008 a 2011.

Cláudia Lucas Chéu.Nasceu em Lisboa (1978). É co-fundadora da Teatro Nacional21 e da Edições Guilhotina. Frequentou o curso de Línguas e Literaturas Modernas e concluiu o curso de Formação de Actores da Escola Superior de Teatro e Cinema. Tem publicados os textos para cena Poltrona – monólogo para uma mulher, Glória ou como Penélope Morreu de Tédio, Europa, Ich Liebe Dich, Violência – fetiche do homem bom, Círculo Onanista, Bank, Bank, You´re Dead, pelas edições Bicho-do-Mato/Teatro Nacional D. Maria II; A Cabeça Muda, pela Cama de Gato Edições. Publicou ainda a micro peça Circle Jerk na Revista de Artes Escénicas Galega Núa. Tem poesia publicada na antologia Meditações sobre o fim – Os Últimos poemas, pelas edições Hariemuj. Publicou também em prosa poética o livro Nojo, pela (não) edições; e o livro Trespasse, pela Edições Guilhotina, em 2014. Foi galardoada com um Emmy Award como argumentista da novela Laços De Sangue.
http://euquerotragedianaoquerodrama.blogspot.pt/

Cristina Drios. Cristina Drios nasceu em Lisboa em 1969, completou o Liceu Francês e licenciou-se em Direito. O seu livro de contos Histórias Indianas venceu, em 2012, o Prémio Literário Cadernos do Campo Alegre «Novo Autor, Primeiro Livro» da Fundação Ciência e Desenvolvimento/Câmara Municipal do Porto. No mesmo ano, Os Olhos de Tirésias, a sua estreia no romance, publicado pela Editorial Teorema, foi finalista do Prémio LeYa e Vencedor da Selecção Portuguesa da 27ª Edição do Festival do Primeiro Romance de Chambéry.
http://www.cristinadrios.com/

Filipa MeloJornalista e escritora, nasceu em Abril de 1972. Desde 1990, como jornalista especializada na área de Cultura/Literatura, trabalhou como repórter (Visão, Expresso, Grande Reportagem, Ler, JL, O Independente, Escrita em Dia/ SIC), editora (Livros de Portugal/APEL, Mil Folhas/Público, Oriente/ SIC Notícias, Magazine e Magazine Livros/ RTP2), crítica e comentadora (Acontece e Jornal2, RTP2) e consultora (Câmara Clara, RTP2). Em 2011, assinou a autoria, edição e apresentação do programa «Nós e os Clássicos», exibido pela SIC Notícias. Atualmente, assina crítica literária no jornal Sol e na revista Ler, é coordenadora da programação cultural da Livraria Almedina do Atrium Saldanha e orienta as Comunidades de Leitura Almedina/Atrium. Recebeu o Prémio Nacional de Cultura Sampaio Bruno em 1996. O seu primeiro romance, Este É o Meu Corpo (Temas e Debates/Sextante), data de 2001 e foi publicado em Espanha, França, Itália, Polónia, Croácia, Eslovénia, Sérvia e Brasil. Os seus contos encontram-se publicados em diversas publicações e antologias portuguesas e internacionais.
http://coracaoduplo.blogspot.pt/ & http://www.filipamelo.com/

Gabriela SilvaGraduada em Letras pela Faculdade Porto-Alegrense de Educação Ciências e Letras, Gabriela Silva é doutora em Teoria da Literatura pela PUCRS, instituição onde também concluiu o mestrado. Possui especialização em Literatura Brasileira pela PUCRS e Leitura: Teoria e Prática. Professora, formadora e oradora na área de Literatura Brasileira e Estrangeira. É uma das coordenadoras da Breviário. Organizou com Camila Canali Doval e Camila Gonzatto da Silva o livro “A escrita criativa: pensar e escrever literatura” (EDIPUCRS), com coordenação de Luiz Antonio de Assis Brasil.

Jan Bitencourt. Publicitária formada pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) em 1998, é uma das autoras da coletânea Contos Mínimos (Editora Guarda-Chuva) e coordenou esse projeto, lançado na Balada Literária de São Paulo em 2012, que reúne cem nanocontos: histórias escritas com apenas 50 caracteres. No mesmo ano estreou como romancista com o livro Versão Beta, vencedor de um concurso literário realizado na Editora Terracota, lançado também no Salão do Livro de Genebra 2013 e publicado em alemão em dezembro de 2013 pela editora Clandestino Publikationen. Paralelamente aos dez anos de atividade publicitária e nove anos como empresária, participou de diversos cursos de curta duração nas áreas de criação literária, cinema e roteiro, em instituições como Casa Mário de Andrade, Academia Internacional de Cinema São Paulo, Cinusp, Instituto o_barco e Editora Terracota. Atualmente, é também facilitadora do Curso de Mini e Micro Contos da Oficina de Escrita Criativa em São Paulo.
http://caiuacaneta.blogspot.pt/ & http://janbitencourt.com.br/

João Camacho. Mestre em História Antiga pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo apresentado a dissertação em Maio de 2014, com o título «Expressões de Medo no Antigo Egipto». É licenciado em História pela mesma Faculdade (2009). É membro do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa, investigador associado do Centro de História da Universidade de Lisboa e investigador do Instituto Prometheus – PAEHI (Associação para Estudos Históricos Interdisciplinares). No âmbito do Mestrado concluiu o seminário de Escrita Hieroglífica com a classificação de 19 valores.

João M. Nogueira. Etnógrafo visual, fotógrafo documental e tecnólogo. Nasceu em Lisboa, em 1980. Enquanto tecnólogo tem colaborado no desenho e implementação de diversos projectos culturais, com particular ênfase nas áreas das ciências sociais, artes e literatura. Enquanto etnógrafo tem trabalhado sobre fotografia documental e métodos de investigação visual. Formador no domínio das narrativas visuais e digital storytelling.
http://iscte.pt/~jmnra/http://jnogueira.com/

João Tordo. Nasceu em Lisboa em 1975. Escritor, argumentista, cronista e formador em workshops de ficção. Formou-se em Filosofia e estudou Jornalismo e Escrita Criativa. Até à data, publicou oito romances: “O Livro dos Homens Sem Luz” (2004), “Hotel Memória” (2007), “As Três Vidas” (2009), “O Bom Inverno” (2010), “Anatomia dos Mártires” (2011), “O Ano Sabático” (2013) e “Biografia Involuntária dos Amantes” (2014).”O Luto de Elias Gro” (2015) é o seu romance mais recente. Encontra-se traduzido em diversos países, incluindo França, Itália e Brasil.
http://joaotordo.blogs.sapo.pt/

Joaquim Paulo Nogueira. Escritor, dramaturgo e jornalista. Nasceu em Lisboa, em 1962. Formado em Ciências da Comunicação, fez trabalho de jornalismo e divulgação teatral na Revista O Actor, no DN Jovem e colabora na Rua de Baixo. Fez parte da direcção da Associação Portuguesa de Argumentistas e Dramaturgos. Foi bolseiro da FCT para uma investigação sobre escrita teatral portuguesa. Orientou diversas Oficinas de Escrita integradas em trabalhos multidisciplinares (com Luís Mourão, Cláudio Hochman, Fernando Mora Ramos, Carlos Alberto Augusto, Tiago Torres da Silva e Rogério de Carvalho).
http://respiraromesmoar.blogspot.pt/

José Eduardo Agualusa. Nasceu no Huambo, Angola, em 1960. Estudou Silvicultura e Agronomia em Lisboa. Entre romances, novelas, livros de contos e colectâneas de crónicas, tem cerca de 26 livros publicados. Os seus livros estão traduzidos em 25 idiomas, sendo um dos mais destacados autores da lusofonia. Venceu o Grande Prémio de Literatura da RTP, o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco da APE, o Prémio Fernando Namora e o Independent Foreign Fiction Prize. “A Rainha Ginga” (Quetzal, 2014) é o seu livro mais recente.
http://www.agualusa.pt/

Luís CarmeloEscritor, ensaísta e cronista, Luís Carmelo é doutorado pela Universidade de Utreque (Holanda) e é autor de uma obra extensa que atravessa áreas distintas, nomeadamente a comunicacional, a semiótica e a literária. Fundou e dirige a Escola de Escrita Criativa Online (EC.ON).
http://luiscarmelo.net/‎

Margarida Fonseca Santos Nasceu em Lisboa, em 1960. Tirou o Curso Superior de Piano no Conservatório Nacional. Deu aulas em várias escolas, nomeadamente na Escola Superior de Música de Lisboa entre 1990 e 2005. Começou a escrever em 1993 e, posteriormente, deixou o ensino da música para se dedicar a tempo inteiro à escrita. Tem vários livros publicados, na sua grande maioria para crianças e jovens, e escreve com regularidade para teatro. Assina, com Maria João Lopo de Carvalho, a colecção juvenil 7 irmãos, e, com Maria Teresa Maia Gonzalez, As Aventuras de Colombo. Orienta ateliers de escrita para crianças, adultos e professores (Escrita Criativa, Escrever teatro para Crianças e Jovens, e Escrever para Crianças e Jovens). Orienta cursos sobre Escrever para Crianças na EC.ON; na Escrever Escrever; na Restart; na Pós-Graduação em Livro Infantil da Universidade Católica Portuguesa. Publicou, em co-autoria com Elsa Serra, o manual de Escrita Criativa Quero ser escritor! Publicou, em Abril de 2013, o livro de escrita criativa Escrita em Dia.
http://www.margaridafs.net/

Margarida Martins. Investigadora em estudos culturais, formadora e tradutora. BA em Antropologia Social e História Antiga, no University College London (1993-96) e MA em American Literature and Culture, na Keele University no Reino Unido (1998-99). Encontra-se presentemente a concluir o Doutoramento em Estudos de Literatura e Cultura, com especialização em Estudos de Identidade no Departamento de Estudos Anglísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Possui pós-graduação no ensino de inglês TESOL (Teacher of English to Speakers of other Languages) na Columbia University, Nova Iorque (2003). Como formadora de inglês, colabora com a Faculdade de Letras; com o Instituto Nacional de Administração; e com aEscola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. É tutora de inglês online na Universidade Aberta, desde 2008. Tradutora freelancer.

Miguel Real. Escritor, ensaísta e professor de filosofia. Em 2006, conquistou o Prémio Literário Fernando Namora com o romance A Voz da Terra. Licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa e Mestre em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta, com uma tese sobre Eduardo Lourenço. É, presentemente, colaborador do JL, Jornal de Letras, Artes e Ideias onde faz crítica literária. É radialista na Antena 2, no programa Um Certo Olhar com, Maria João Seixas, Luísa Schmidt, Carla Hilário Quevedo e Luís Caetano.

Patrícia ReisPatrícia Reis nasceu em 1970 e estudou História e História de Arte e Comunicação Empresarial. O seu trajecto no jornalismo iniciou-se em 1988 no semanário O Independente. Esteve depois na revista Sábado e realizou um estágio na revista norte-americana Time, em Nova Iorque. Foi jornalista do semanário Expresso, fez a produção do programa de televisão Sexualidades, trabalhou na revista Marie Claire, na Elle e nos projectos especiais do diário Público. Publicou a novela Cruz das Almas (2004) e os romances Amor em Segunda Mão (2006) e Morder-te o Coração (2007), que integrou a lista de 50 livros finalistas do Prémio Portugal Telecom de Literatura, No Silêncio de Deus (2008) e a novela Antes de Ser Feliz (2009). É ainda autora da biografia de Vasco Santana (2004) e do romance fotográfico Beija-me (2006, em co-autoria com João Vilhena). Editora da revista Egoísta, Patrícia Reis é sócia do atelier de design e texto 004, participando em projectos de natureza muito variada, nomeadamente na concepção e conteúdos de livros institucionais. É ainda autora da colecção infanto-juvenil Diário do Micas e de dois livros infantis, todos com o selo do Plano Nacional de Leitura. Em 2011 escreveu por Este Mundo Acima. Contracorpo (2012) é o seu mais recente romance.

Paulo Querido. Jornalista, autor e consultor de novas mídias português. Já trabalhou ou colaborou com Jornal de Negócios, Expresso, Diário Popular, Público, Correio da Manhã, Gazeta dos Desportos e RTL. Autor dos livros “Homo Conexus – O Que nos Acontece depois de Estarmos Ligados à Internet” e “Amizades Virtuais, Paixões Reais”. Co-autor das obras “O Futuro da Internet” e “Blogs”.
http://pauloquerido.pt/

Paulo SimõesPaulo Simões é Major da Força Aérea Portuguesa e possui uma Pós-Graduação em Pedagogia do Elearning pela Universidade Aberta. É “Advisor” do Steering Committee do NAP (Network of Academic and Professionals) da EDEN (European Distance Elearning Network) e membro do Observatório da Qualidade no Ensino a Distância e Elearning. Considerado, internacionalmente,como um dos mais influentes profissionais de Elearning no Twitter.
http://www.pgsimoes.net/

Possidónio Cachapa. Escritor, realizador e argumentista português. Publicou os romances “Materna Doçura”, “Viagem ao Coração dos Pássaros”, “O Mar por Cima”, “Rio da Glória”, o livro de contos “Segura-te ao Meu Peito em Chamas” e o livro de crónicas “O Meu Querido Titanic”. No teatro é autor das peças “Shalom”, “Hipnotizando Helena” e “A Cibernética”. O seu último livro foi “O Mundo Branco do Rapaz Coelho”. Desenvolve ainda trabalho como argumentista e realizador de curtas e longas metragens. O seu último filme foi “O Nylon da Minha Aldeia”, adaptado a partir da novela do mesmo nome. Destaca-se, ainda, o documentário “Adeus à Brisa”, sobre a vida e obra do escritor Urbano Tavares Rodrigues.
http://possidoniocachapa.wix.com/possidoniocachapa

Reginaldo Pujol Filho. Reginaldo nasceu em Porto Alegre em 1980. É escritor, com dois livros publicados (Azar do Personagem e Quero Ser Reginaldo Pujol Filho) e contos em revistas, jornais, sites e coletâneas. Organizou a antologia Desacordo Ortográfico, lançada no Brasil e Portugal. Também tem no currículo roteiros de curta-metragem, colaborações editorias em jornais e revistas com resenhas literárias e matérias, além da experiência como redator publicitário. É pós-graduado em Artes da Escrita pela Universidade Nova de Lisboa e frequenta o Mestrado em Escrita Criativa da PUCRS.
http://www.reginaldopujolfilho.wordpress.com
http://porcausadoselefantes.blogspot.pt/

Ricardo Louro Martins. Ricardo Louro Martins é licenciado em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2010), mestre em História e Cultura das Religiões (pela mesma instituição, 2012) com a dissertação: «A mulher e a soberania: metáforas humanas e divinas da “Legitimação do Poder” na literatura épica grega e em paralelos indo-europeus». Frequentou em 2011-2012 cadeiras e seminários da licenciatura em Études Indiennes – Sanskrit (Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3) e do mestrado em Études Européennes, Méditerranéennes et Asiatiques (École Pratique des Hautes Études). É doutorando em História Antiga (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), onde desenvolve o tema: «Dos Deuses Gregos e Indianos: Os Olímpicos à luz da mitologia indiana».É professor de “Ética”, “Sócio-Política” e “Filosofia da História” na Associação Cultural Nova Acrópole de Lisboa, desde 2013. Foi professor da cadeira de “Sânscrito” no Curso de Treinadores e Professores de Yoga (Federação Portuguesa de Yoga – Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa) entre 2012 e 2014. É Investigador associado do Centro de História da Universidade de Lisboa na linha de “História Antiga e Memória Global”, é membro do Instituto Correia de Lacerda de Estudos Orientais, sócio-fundador e investigador do Instituto Prometheus: Associação para Estudos Históricos Interdisciplinares, membro do grupo de trabalho “Dimensões Sociais e Institucionais das Religiões do Mundo Antigo” do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa.

Rosa Azevedo. Rosa Azevedo é formada em Literatura Portuguesa e Francesa pela Universidade Nova de Lisboa com curso minor em Literaturas do Mundo e tem mestrado em Edição de Texto. Tem realizado desde 2007 diversos cursos de literatura portuguesa e hispano-americana, especializando-se na área da literatura portuguesa do séc XX e início de XXI e surrealismo. Paralelamente desenvolveu outros trabalhos de produção ligados à literatura, nomeadamente nas áreas referidas e da edição independente. Fundou e foi presidente da Associação Cultural Respigarte e do grupo teatral A Mancha. É produtora do Reverso – encontro de autores, artistas e editores independentes, do Colectivo Prisma e do Muito Cá de Casa da Casa da Cultura de Setúbal, onde é também moderadora. Colabora com a direcção da Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul nas questões da programação e associativismo. Mantém o blog estórias com livros. Foi livreira e hoje é produtora, formadora, revisora e dinamizadora / divulgadora da área dos livros.
http://estoriascomlivros.blogspot.pt/

Valesca de Assis. Valesca de Assis é graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com especialização em Ciências da Educação. Foi presidente do Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul e integrou o Conselho Científico do Portal Comunidades Açorianas (Portugal, Açores). Tem oito livros publicados desde 1990. Desenvolve oficinas literárias em várias instituições.
http://www.valescadeassis.com/

Yipei WuWu Yipei é Licenciada em Língua e Cultura Portuguesa e Inglesa (Universidade de Ensinos Estrangeiros de Tianjin, China) e tem um Mestrado em Estudos Interculturais Chinês/Português: tradução, formação e comunicação empresarial (Universidade do Minho, Portugal). Wu Yipei é assistente de Mandarim do Instituto Confúcio da Universidade do Minho e exerceu docência em variadas escolas públicas portuguesas (entre as quais a Escola Secundária Carlos Amarante e a escola eb 2.3. Dr Francisco Sanches, ambas de Braga). Recentemente, a professora Wu Ypei alargou a docência de Mandarim à entidade “Aprender Mandarim Lisboa” e, também, à Escola de Escrita Criativa Online (EC.ON). Para além de um vasto CV como apresentadora (com destaque para instituições como Museu de Oriente de Lisboa, Universidade de Ensinos Estrangeiros de Tianjin, Expo 2010/Xangai ou Fundação da POAO), Wu Ypei é também tradutora, intérprete e jornalista (Jornal Europe Weekly – Jornal Sino).